Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

santiago de compostela - 5ª etapa

Depois de uma noite bem passada em Rubiães, lá partimos nós, uma vez mais os últimos a abandonar o Albergue, que apesar de recente, tem sensivelmente o mesmo número de registos que o de S. Pedro de Rates.

Rumamos a um pequeno café com mercearia e casa de sementes, um verdadeiro tudo em um, na freguesia do Cossourado, onde ganhamos algum tempo de conversa com o simpático proprietário, que nos preparou umas belas sandes de fiambre com pão.

Passado o Coura, subimos ligeiramente para S. Bento da Porta Aberta, sendo visíveis ao longo do caminho diversas marcas de outras rotas, bem como marcos milenários que assinalam a Via Romana do Atlântico.

Após Fontoura, atravessamos uma ponte Romana, que atravessa o Rio Pedreira, onde ultrapassamos a nossa companheira sul africana, que aproveitava os raios de sol, saboreando uma cerveja, segundo ela muito boa, mas que desconfiamos por não estar à temperatura ideal. Ai se estivesse!

Como tínhamos decidido, paramos em Tuido para almoço, no entanto, contrariamente ao planeado, decidimos dar outro tipo de alimento ao corpo, deixando a bela broa e o queijo para mais tarde, que não deixaram saudades perante a bela carne assada e respectivas batatas de acompanhamento, regadas por um vinho verde tinto. Era mesmo o que precisávamos…

Entretanto, mesmo às portas de Valença, fomos surpreendidos com a decoração, algo estranha, de um jardim, cravejado de garrafas e vieras, o símbolo mítico de Santiago, para auguro de boa viagem, que se confirmou.

Já em Valença, trepamos o vale que cerca o forte, completamente repleto de jovens escuteiros em actividade.

Procuramos a ponte internacional, avistando-se a Sé Catedral de Tui, para onde nos dirigimos rumo ao Albergue existente nas imediações, mas ao qual, só com ajuda chegamos face à inexistência de indicações para o mesmo.

Hoje podemos dizer estar com a casa cheia, dado haver inúmeros peregrinos a iniciar o Caminho a partir deste ponto. Decorrem por esta altura as festividades em honra de S. Telmo, mas que não acompanharemos face ao regulamento rígido do Albergue, em termos de horários, isto para não darmos parte de fracos e admitir necessitarmos do descanso para a etapa de amanhã…

Ultreya!

 

publicado por vagabundos às 10:04
link do post | comentar | favorito
|

santiago de compostela - 4ª etapa

Pois bem, o traçado de hoje, apesar de pouco extenso apresentava algumas subidas bem pronunciadas, que o distinguem como o mais declivosa de todo o itinerário que estamos a cumprir.

Aproveitamos para descansar ao máximo, tendo a saída de Ponte de Lima sido por volta das 10H00, debaixo de alguma chuva, que entretanto aliviou e não nos importunou durante o resto da viagem.

Logo após atravessarmos a Ponte Romana Gótica sobre o Lima, entramos num belo caminho rural que deixava antever um belo percurso, expectativa que não foi felizmente lograda.

Apesar de não termos documentado fotograficamente o centro da cidade, belíssimo, aqui fica um registo de um solar, que à semelhança de inúmeros outros que mereceriam o mesmo destaque, é bem ilustrativo da riqueza patrimonial destas paragens.

Para os amantes da montanha como é o nosso caso, não passa despercebida a flora que pinta os montes e colinas, ora de amarelo ora de roxo, sendo a época em que nos encontramos óptima para apreciar tojos, carquejas e urzes floridas, entre outros.

Grande parte do percurso faz-se paralelamente ao rio Labruja, com várias cascatas naturais e açudes, que face ao elevado caudal acentuam a sua beleza.

Não podíamos deixar de retratar um belo espigueiro, ladeado por antigos carros de bois, que fariam certamente a delicia do nosso amigo Paulo

A partir da freguesia de Labruja, contávamos com uma bela subida de 350 m em 3 kms, pelo que aproveitamos para nos refrescarmos e abastecer de água na fonte das Três Bicas.

À semelhança do que já havíamos sentido, os bastões de caminhada são de facto um utensílio importante na preservação das articulações, incutindo um ritmo constante de subida e claro, no caso da Cláudia, evitou o habitual colocar de mãos nos rins…

Chegamos entretanto a meio da encosta, que em alguns casos deve rondar os 30% de inclinação, à denominada Cruz dos Franceses, que assinala o local onde a população emboscou os retardatários do exército de Napoleão na invasão de 1809.

De acordo com o planeado, prosseguimos a subida até à Portela Grande, onde chegamos completamente suados, mas felizes pelo nosso soberbo desempenho, pois chegamos à conclusão que a subida se fez acima dos 3 km/h.

Após pausa para almoço, recomeçamos a caminhada, praticamente toda ela descendente e que nos fez desejar mais subidas, já que os joelhos se começavam a ressentir ligeiramente, mas rapidamente esquecidos pela contemplação de uma paisagem tão nossa conhecida, o Vale do Coura, onde inclusive nos cruzamos com um trilho já por nós realizado.

Já à chegada do Albergue de Rubiães, onde nos encontramos a escrever esta mensagem, fomos ultrapassados por um conjunto de ciclistas portugueses, oriundos de Braga, bastante satisfeitos com a descida, já que haviam carregado as bicicletas às costas na malograda subida.

Chegados ao Albergue, que possui excelentes condições, encontramos dois outros peregrinos, um francês a realizar peregrinação a Fátima desde Santiago de Compostela e uma sul africana a realizar o mesmo itinerário que nós.

 Ultreya!

publicado por vagabundos às 09:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 15 de Abril de 2009

santiago de compostela - etapas previstas

Resumimos abaixo aquilo que nos propomos fazer durante a nossa “viagem” a Caminho de Santiago de Compostela.

Os perfis foram obtidos no sitio do Albergue de S. Pedro de Rates

 

 

 

 

Início – Sé do Porto

Final – S. Pedro de Rates (Póvoa do Varzim)

Distância: 37,5 km

Albergue: S. Pedro de Rates

Nota: Dado que esta etapa é bastante extensa, caso não encontremos forças suficientes, podemos recorrer ao Plano B – terminar a etapa em Vilarinho (Vila do Conde), pernoitando no Albergue aí existente (total de 25 km).

 

 

 

Início – S. Pedro de Rates (Albergue)

Final – Barcelos

 Distância: 16,4 km

Albergue: Casa de Saúde de S. João de Deus (Barcelos)

 

 

 

Início – Casa de Saúde de S. João de Deus (Barcelos)

Final – Ponte de Lima

Distância: 33,6 km

Albergue: Pousada da Juventude (Ponte de Lima)

 

 

 

Início – Pousada da Juventude (Ponte de Lima)

Final – Rubiães (Paredes de Coura)

Distância: 19 km

Albergue: Antiga Escola Primária

 

 

 

Início – Rubiães (Paredes de Coura)

Final – Valença

Distância: 18 km

Albergue: S. Teotónio (Valença)

 

 

 

Início – Valença

Final – Praza da Torre (Redondela)

Distância: 34,4 km

Albergue: Albergue Xacobeo (Redondela)

 

 

 

Início – Casa da Torre (Redondela)

Final – Pontevedra

Distância: 18,2 km

Albergue: Albergue Xacobeo (Pontevedra)

 

 

 

Início – Albergue Xacobeo (Pontevedra)

Final – Briallos

Distância: 18,6 km

Albergue: Albergue Xacobeo (Briallos)

 

 

 

Início – Albergue Xacobeo (Briallos)

Final – Padrón

Distância: 25 km

Albergue: Albergue Xacobeo (Padrón)

 

 

 

Início – Albergue Xacobeo (Padrón)

Final – Santiago de Compostela

Distância: 24 km

Albergue: a definir. Dado o cansaço previsto deveremos querer mais comodidade neste dia, com direito a banhinho de banheira...

Ultreya!

 

 

10ª ETAPA – Padrón a Santiago de Compostela

 

9ª ETAPA – Briallos a Padrón

 

8ª ETAPA – Pontevedra a Briallos

 

7ª ETAPA – Redondela a Pontevedra

 

6ª ETAPA – Valença a Redondela (Espanha)

 

5ª ETAPA – Rubiães a Valença

 

4ª ETAPA – Ponte de Lima a Rubiães

 

3ª ETAPA – Barcelos a Ponte de Lima

 

2ª ETAPA – S. Pedro de Rates a Barcelos

 

1ª ETAPA – Sé do Porto a S. Pedro de Rates

publicado por vagabundos às 12:31
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.frase / pensamento

"faz-se caminho caminhando"

.normas de conduta

1. seguir somente pelos trilhos sinalizados 2. cuidado com o gado, por norma não gosta da aproximação de estranhos 3. evitar barulhos e atitudes que perturbem a paz local 4. observar a fauna à distância 5. não danificar a flora 6. não abandonar o lixo, levando-o até um local onde exista serviço de recolha 7. fechar cancelas e portelos 8. respeitar a propriedade privada 9. não fazer lume 10. ser afável com os habitantes locais

.posts recentes

. santiago de compostela - ...

. santiago de compostela - ...

. santiago de compostela - ...

.arquivos

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Agosto 2012

. Abril 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Abril 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

.tags

. todas as tags

.Novembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links