Segunda-feira, 15 de Setembro de 2008

sr. do calvário? qual?

Oito horas da manhã. Os vagabundos Paulo e Hélder estão prontos para iniciar uma nova caminhada. É dia 8 de Agosto e a escolha recaiu no PR3 – Rota dos Penedos Mouros. Trata-se de mais um percurso circular, com 18 Km de extensão. Perguntamos previamente no posto de turismo, qual o local indicado como início deste trajecto. Uma vez que é circular, poderíamos iniciar onde melhor nos conviesse, mas como tínhamos que nos deslocar de carro até esse ponto de qualquer das maneiras, já agora aproveitamos para fazer segundo as recomendações. Ainda agora, nos ecoam na cabeça as palavras da simpática agente do posto de turismo: - “O percurso inicia-se no Sr. Do Calvário. Os senhores não são de Gouveia, pois não?”. Ao que se seguiu uma explicação que o Sr. do Calvário é a igreja perto do centro, onde por estes dias se desenrolam as festas locais. Assim, após o tradicional “café pingado”, eis-nos à porta da dita capela, prontos para iniciar nova caminhada. Desde logo surgiram as primeiras dificuldades, pois após encontrarmos a marca de caminho certo no inicio da escadaria da capela, quando efectuamos a descida, não vislumbramos mais nenhuma marcação. Pensamos que estariam escondidas pelos inúmeros stands, barraquinhas e relotes de apoio à festa. Assim, não nos restou alternativa senão procurar no mapa a indicação seguinte à do Sr. do Calvário e dirigir-nos para lá, na esperança de aí encontrar as marcações do percurso. Se bem o pensamos, melhor o fizemos e toca a perguntar a uma anciã, qual a direcção a seguir para encontrarmos o Monte Aljão. Após recebermos essa informação, acompanhada da sua intuição que deveriam ser uns 10 Km – na altura esta indicação pareceu-nos ridícula!!! Pfff, como se pudesse ser… - lá começamos a descer a estrada que serpenteava através da elevação em que nos encontrávamos. Após 1 hora de caminho a bom ritmo, sempre por estrada, lá encontramos as primeiras marcações. Segundo a nossa análise, tínhamos encontrado o percurso a 3/4 do final, o que nos iria impedir de ver uma dos atractivos principais, os penedos mouros.

Paciência, pensamos nós. Mais vale alguma coisa do que nada! Pernas ao caminho até Vinhó. Agora sim, por caminhos mais apropriados, no meio dos campos e do arvoredo, que é do que a malta gosta. Já havíamos passado por esta freguesia no percurso anterior. Assim, não nos chamou muito a atenção. Para nossa surpresa, este percurso não nos faz passar pelas sepulturas cravadas na rocha, que se encontram anunciadas no prospecto do trajecto.

O ponto de interesse seguinte foi avistado após cruzarmos a estrada nacional. Infelizmente tem que se fazer travessias semelhantes umas poucas de vezes ao longo do trajecto, mas tirando este facto, o restante da paisagem é bastante agradável. O ponto a que nos referimos é um dólmen, que felizmente se encontra em muito boas condições de preservação. A localidade seguinte que encontramos, foi Rio Torto, com um traçado típico desta região. Ruas estreitas, casas em pedra, algumas das quais são com certeza de proprietários abastados, e um ambiente em geral muito rural e agradável. Aproveitamos para merendar junto de uma capela local, mesmo em frente à secção de Rio Torto dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Tazem. Questionamo-nos sobre que raio de utilidade teria esta secção, porque olhando para o edifício, não dá para perceber. Assim sendo, deixamos a pergunta no ar…

À saída desta localidade pudemos observar uma ponte romana do século XII, sobre a ribeira de Gouveia. Actualmente, esta ribeira pareceu-nos (infelizmente) estar a ser utilizada para escoamento de esgoto, tal era o mau aspecto e mau cheiro que demonstrava. Por esta altura, eram umas 11:30h. Olhando para o mapa, efectuamos uns cálculos rápidos e verificamos que deveria faltar cerca de hora e meia até ao Sr. do Calvário, onde (supostamente) havíamos deixado o carro.

 

 

Deste ponto em diante, a paisagem caracterizava-se pela presença de pedras graníticas de grandes dimensões que nos “acompanharam”, a caminho do Monte Aljão. O percurso era por estas bandas muito agradável, com uma paisagem sobretudo rural, mas nos quais se podem ver muitos vestígios arqueológicos. Pudemos observar algumas culturas, como vinhas, pequenos olivais e tradicionais hortas. Em termos de florestação, predominam as azinheiras e os pinheiros mansos, bem como carvalhos e castanheiros.

Assim seguimos, com os sentidos colocados no destino seguinte, que pelo mapa deveria ser Arcozelo. No entanto, no nosso entendimento, já não chegaríamos lá, visto que o Senhor do Calvário ficava antes, sendo inclusive necessário fazer um pequeno desvio. O que é certo, é que caminhamos sem descanso durante cerca de 45 minutos até chegarmos mesmo a Arcozelo!!! Mas então, se não era suposto chegarmos lá! Bem, continuamos a seguir os sinais, até que chegamos ao monte de Nª Sra. de Fátima. Pelo nosso entendimento, nesse momento estávamos já a afastar-nos do Senhor do Calvário. Mas como é que isso poderia ser? Aqui, decidimos questionar um funcionário dos correios, que estava a almoçar perto deste santuário, numa sombrinha proporcionada por um pinheiro manso. No entanto, já não perguntamos pelo Senhor do Calvário. Perguntamos por Gouveia! Até parecia que já estávamos a adivinhar a resposta “uuuiiii, estão um bocado longe!!!”

As indicações eram de caminhar, caminhar, caminhar… tanto, que acabamos por passar pelos penedos mouros, que era suposto não termos visto, lembram-se? Ou seja, fizemos o percurso todo. Daqui em diante, olhando para o relógio constatamos que só iríamos terminar a caminhada por volta das 15:00 horas. Assim, esquecemos por completo o trajecto da rota, que ainda nos fez andar a corta-mato, sinal que ninguém o trilhou nos últimos tempos, para passarmos a ir pela estrada, em busca do caminho mais rápido.

A conclusão a que chegamos, é que graças a uma informação completamente errada da menina do posto de turismo, iniciamos o percurso num ponto que nem se encontra no mapa, tendo percorrido para além dos 18 Km indicados, mais uns 10 adicionais, acabando por caminhar quase ininterruptamente durante cerca de 6 horas. Tudo porque sendo a menina das informações de Gouveia, não sabia que existem dois Senhores do Calvário num raio de apenas 10 quilómetros!

Mas o quê que julgam, que iríamos ficar sem conhecer o Senhor do Calvário indicado no PR3? Nem pensar! Já que os de Gouveia parecem não o conhecer, nós que não somos de Gouveia fizemos questão de ir até lá. Mas de carro. Assim ao final da tarde, aproveitamos para um lanchinho, por sinal bem agradável, porque a paisagem é muito gira. E o mais engraçado, é que tratando-se de um ponto relativamente elevado, pudemos ver ao longe muitos dos caminhos que havíamos percorrido nessa manhã. Acabou por ser um empreendimento agradável… para purgar as nossas culpas. É que não fomos só ao Senhor do Calvário! Acabamos por percorrer o próprio calvário. E não foi só um…

 

publicado por vagabundos às 09:14
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.frase / pensamento

"faz-se caminho caminhando"

.normas de conduta

1. seguir somente pelos trilhos sinalizados 2. cuidado com o gado, por norma não gosta da aproximação de estranhos 3. evitar barulhos e atitudes que perturbem a paz local 4. observar a fauna à distância 5. não danificar a flora 6. não abandonar o lixo, levando-o até um local onde exista serviço de recolha 7. fechar cancelas e portelos 8. respeitar a propriedade privada 9. não fazer lume 10. ser afável com os habitantes locais

.posts recentes

. sr. do calvário? qual?

.arquivos

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Agosto 2012

. Abril 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Abril 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

.tags

. todas as tags

.Novembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links