Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

santiago de compostela - 6ª etapa

Pedimos muitas desculpas aos nossos seguidores, mas a razão do atraso não tem a ver com cansaço, mas com indisponibilidade de internet, já que a generalidade das wi-fi zones, apenas o são nos vidros, dentro dos estabelecimentos não existe.

A net móvel que trazemos não funciona em Espanha, mas o problema está para já resolvido...

Entremos no que interessa:

Já pelas normas dos albergues espanhóis, às 22H00 da noite (hora espanhola), estávamos a entrar nos sacos cama, esperando-se uma energizante noite de sono, embora temêssemos que as festividades em honra de S. Telmo nos pudessem incomodar.

Uma vez deitados, verificamos que o ruído das festividades mal se ouvia, evidenciando-se o ressonar profundo de um dos peregrinos, por vezes interrompido por um seu parceiro que o tentava silenciar. Só resultava durante uns breves 20 segundos.

Já ambientados com a melodia, fomos surpreendidos por o remanescente da festa, ou seja, um grupo de jovens movidos certamente a álcool ou a outra substância catalítica de emoções, que se instalaram por baixo das janelas do Albergue, com conversas, gritos e cantorias, que não devem ter deixado dormir ninguém, e claro, nós não somos a excepção e não “pregamos olho”.

Quando saímos, por volta das 8H00 (outra das imposições dos Albergues espanhóis), cruzamo-nos ainda com alguns deles.

Como prometia, trata-se de uma etapa dura, registando-se o local da morte de S. Telmo, em honra do qual decorreram as festividades de ontem em Tuy, que pereceu aquando da peregrinação a Santiago.

Depois de ultrapassarmos um grupo de portugueses oriundos de Peniche, mas que haviam iniciado a peregrinação em Tuy, percorremos uma mancha verde, atravessada pelo Rio Louro, isto até entrarmos no polígono industrial do Porriño, que quase nos fez voar a cerca de 6 kms/hora, e isto por ser domingo e não haver movimento na zona, noutro dia seria terrivelmente pior.

Finalmente chegados a Porriño, fomos presenteados com a volta à Galiza em bicicleta, sendo grande o número de policias na zona.

Aqui existem vários edifícios dignos de destaque, mas claro, optamos por fotografar alguns deles.

Face à hora (11H30), aproveitamos para almoçar uns belos “bocadillos” regados por cerveja.

Rumamos a Mós e aproveitamos para carimbar a credencial junto ao albergue, que estava encerrado. Trata-se de um lugarejo repleto de história, que se encontrava a celebrar o aniversário da derrota dos invasores franceses.

Seguiu-se Cabaleiros, onde, como o nome indica, cruzamos por várias pessoas montadas a cavalo.

A partir desse ponto encontramos uma subida mediana, que nos encaminha por zona florestal ao topo do Monte Cornedo, onde encontramos estes interessantes monumentos e um verdadeiro marco miliário.

Um pouco adiante, já na área de descanso, temos uma vista sobre o nosso destino, que segundo o guia dista cerca de 3 kms, o que não corresponde à realidade, tal como o perfil. Uma descida muito íngreme e prolongada veio-nos relembrar os problemas do nosso amigo Manel Celestino com as descidas…

Chegamos por fim a Redondela, onde voltamos a encontrar os nossos companheiros italianos, com os quais entramos no mais bonito e arranjado Albergue do Caminho, de acordo com os guias e que para já, corresponde à realidade.

Ultreya!

Nota: Significado de Ultreya - É uma palavra de origem latina que aparece pela primeira vez no "Códice Calixtino"(1º guia do Caminho de Santiago). Aimerico Picaud sacerdote que o escreveu, refere que a palavra "Ultreya" era pronunciada pelos peregrinos que chegavam a Catedral de Santiago como a mostrar o seu jubilo de ter chegado ao fim de sua peregrinação. Etnologicamente a palavra Ultreia (ou também eultreja), vem de Ultra-joia, que significa: "mas alla del jubilo" e não significa somente uma forma de verbalizar a alegria de ter chegado a Catedral de Santiago, mas algo como: "para frente" em busca da realização de um objectivo, de uma meta a qual tendo fé iremos alcançar, mesmo diante das dificuldades não deveremos desistir.

 

publicado por vagabundos às 16:42
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.frase / pensamento

"faz-se caminho caminhando"

.normas de conduta

1. seguir somente pelos trilhos sinalizados 2. cuidado com o gado, por norma não gosta da aproximação de estranhos 3. evitar barulhos e atitudes que perturbem a paz local 4. observar a fauna à distância 5. não danificar a flora 6. não abandonar o lixo, levando-o até um local onde exista serviço de recolha 7. fechar cancelas e portelos 8. respeitar a propriedade privada 9. não fazer lume 10. ser afável com os habitantes locais

.posts recentes

. Mix de Caminhos - de 12 a...

. Caminho do Norte (de Baam...

. CAMINHO PRIMITIVO (de Fon...

. Caminho Primitivo de Sant...

. Caminho Francês de Santia...

. Linha do Corgo da Régua a...

. Via da Prata - Santiago d...

. Linha do Douro 21 a 23 Ou...

. Rota Freixa da Misarela -...

. Caminho Português Santiag...

.arquivos

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Agosto 2012

. Abril 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Abril 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

.tags

. todas as tags

.Novembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links